Carneiros Dorper



Venda e Comercio de Carneiros Dorper.

Temos os carneiros Dorper para venda, nossos ovinos Dorper são ideais para serem vendidos como Reprodutores, Dorper Matizes, e ovelhas Dorper para corte.

Uma prevê historia dos Ovinos / Carneiros Dorper

História da Raça: Ovino Dorper e White Dorper.

Você está aqui: Início Notícias História da Raça: Ovino Dorper e White Dorper

História da Raça: Ovino Dorper e White Dorper

Para esta quinta-feira, a Rural Centro escolheu o ovino Dorper e White Dorper para a série História da Raça. Os destaques da raça escolhida são diversas características específicas deste animal em relação a outros, como: alta fertilidade, adaptabilidade, qualidade da carne, etc.

Origem da Raça

A origem deste animal veio de diversos cruzamentos realizados na África do Sul, em 1930, com o objetivo de chegar a um Dorper, Ovinos, Rebanhoovino capaz de produzir, nas condições áridas e desérticas do país uma carcaça de qualidade elevada.

Foram utilizadas diversas raças: indígenas sem lã, raças de corte da Europa e Merinos, entre outras. O resultado veio do cruzamento entre o Dorset Horn e matrizes da raça Cabeça Negra da Pérsia, entre 1942 e 1946.

Já os dorpers de cor branca, os chamados White Dorper, têm na sua conformação, além das duas raças citadas, mais um tipo de cruzamento: Dorset Horn + Van Rooy, outra raça indígena.

Raça Dorper no Brasil

Esta raça se espalhou em todo mundo e um dos motivos é a alta adaptabilidade. Aqui no Brasil, por exemplo, pode ser criado de Norte a Sul.

Dados da ABC Dorper (Associação Brasileira de Criadores de Dorper) mostram que em números é a segunda maior raça da África do Sul e a maior em Namíbia. Com um rebanho significativo na Austrália e no Brasil.

Aqui no Brasil, a raça foi aceita em 1998 em um projeto do Dr. Mário Silveira, Secretário do Planejamento do Estado da Paraíba, intitulado como “Introdução  de Genótipos de Ovinos da Raça Dorper no Estado da Paraíba”.

Lucas Heymeyer, responsável de vendas da Fazenda Campo Verde, ressalta que o criatório foi um dos primeiros a trazer a raça ao Brasil e uma das únicas que possui a classificação para DEP – Diferença Esperada na Progênie. Ele explica a Campo Verde começou a criar a raça em 2007, com cinco mil embriões importados da África do Sul.

Os dois tipos de Dorper foram escolhidos principalmente por causa da adaptabilidade ao nosso clima. Além disso, devido à sua composição física, o animal proporciona tanto a lã como pelo.

Saiba também

>>> Algumas pessoas acreditam que o White Dorper, por causa da coloração do pelo, possui alguma deficiência de pigmentação. Entretanto, Heymeyer  explica que até o momento não tem nenhum conhecimento de problemas relacionados.

Heymeyer também destaca que este ovino é um importante produtor de carne, com uma diferença de que o tipo white tem acabamento de carcaça mais precoce que o Dorper. Por exemplo, o Dorper White vai ao abate com 37 quilos, o Dorper é abatido com 40 quilos.

Destaque também para a conversão alimentar do animal, que produz mais carne mais rapidamente e com menor quantidade de alimento, que é pasto com alguma suplementação alimentar.

O rebanho é composto por 1 macho para cada 40 fêmeas e por ser um animal rústico não precisa de cuidados especiais.

Dorper White, Lã, ExemplarObstáculo no setor:

O maior obstáculo na ovinocultura é que falta um esquema de manejo pronto. Cada região depende de um manejo, ao contrário do que acontece em outras atividades, como a pecuária por exemplo. Tem poucos projetos feitos com um número expressivo de animais, reclama Heymeyer.

Dica do criador:

O criador que deseja iniciar com o Dorper deve primeiramente se informar, visitar pequenos, médio e grandes criatórios e analisar as condições de sua região.

Características do animal:

Veja abaixo as principais características citadas pela ABC Dorper:

Fertilidade      Animais de alta prolificidade e a seleção deve sempre ser realizada a partir de animais de fácil reprodução (fêmeas fáceis de emprenhar e cujas crias sejam preferencialmente de gêmeos ou até mais). As fêmeas ciclam o ano toda e já podem ser inseminadas ou cobertas entre 30 a 50 dias após parirem.

Qualidade de carne  

Esta raça, em condições brasileiras, consegue proporcionar cordeiros com 35kg antes do desmame com 90 dias de vida, sendo criados exclusivamente a pasto com creep feeding (suplementação com concentrado).

Consegue-se ainda de 50 a 57% de rendimento de carcaça em animais puros e entre 48 e 52% de rendimento de carcaça em cruzados.

Adaptabilidade

            Uma raça de manejo a pasto, produzindo carne e cordeiros em manejo de baixo custo.

Rusticidade     Desde as condições mais secas (áridas), passando por condições de frio intenso até as condições de muita chuva, o dorper é capaz de resistir, mantendo boa saúde, boa condição corporal e produzindo cordeiros e carne.

Utilização de pastagens nativas

            Podem ser criados em pastagens de braquiárias ou pastagens nativas

Ótimas qualidades maternas

            As ovelhas parem facilmente a pasto, cuidando muito bem de seus filhos, mesmo em partos duplos e triplos. A taxa de mortalidade do dorper é também muito baixa.

Excepcional libido dos carneiros

            O reprodutor dorper possui excepcional libido e qualidade de sêmen, saltando facilmente e com baixo número de ovelhas falhas.

Qualidade da pele / couro

            Possuem pele extremamente resistente e ao mesmo tempo macia, sendo utilizada na produção de luvas e vestuários de couro confortáveis e também utilizados como revestimento de banco de automóveis, entre outros.

Gostou da reportagem? Sugira novos temas na rede temática “História das raças”, na rede social +Rural.

* O que é +Rural?

Fonte: Ana Brito / Rural Centro